sexta-feira, 2 de julho de 2010

A rifa


Estava lembrando esta semana um dos prodígios familiares.

A historia chega a aparecer até mentira, mas aconteceu mesmo.

O fato ocorreu no ano de 1973.

Estava meu tio num sábado depois do almoço, onde você esta fulo de ter trabalhado, em um botequim tomando algo que alegrasse seu dia. Chegou um senhor distinto, contando que era dono de um circo que estava encerrando as portas. Contou que teria que pagar as despesas com os funcionários e fornecedores e coisa e tal. Ofereceu ao meu tio uma rifa para ajuda-lo. Meu tio solícito e com uma certa pena da situação do homem, comprou a rifa, o prêmio? oras o que poderia ser o prêmio de um dono de circo? Um elefante... sim o elefante do circo. Meu tio não se preocupou muito com o fato, comprou e foi pra casa.

Na segunda feira, logo cedo, ligaram para o trabalho do meu tio, vejam só, meu tio foi o feliz sorteado e acabara de ganhar um elefante.... Pois é um grande, lindo e ensinado elefante. Claro que ganhar um elefante na cidade de São Paulo é uma coisa quase corriqueira, coisa de um em 100 milhões. Mas e ai, o que fazer com um grande, lindo e ensinado elefante? Meu tio com a vasta experiência em trato de animais ( note que minha tia nem cachorro deixava ter em casa), foi receber seu grande presente, onde deixa-lo? simples, na margem do rio Tamanduatei ( na época o rio ainda não era canalizado ) deixar o grande animal ficar lá pastando. A noite pensaria o que fazer com ele. Mas para sorte do meu tio e total infelicidade do elefante, o bicho comeu tanto mato contaminado de mercúrio, chumbo e outros metais que no final do dia estava morto.

Agora pense, o que fazer com um animal desse porte morto? por em saco de lixo e esperar o caminhão do lixo levar? e la vai meu tio o feliz proprietário do elefante grande, lindo, ensinado e morto, ligar para prefeitura para dar um fim descente ao animal. Teve que pagar uma fortuna ( hoje seria algo em torno de 2 ou 3 mil reais) para que viessem recolher o bicho. Resumindo este foi o prêmio no século, E o pessoal do Big brother se achando o máximo.

Agora ca com meus botões, hoje pensando nessa história, acredito que o dono do circo fez tudo isso de caso pensado, precisava se livrar do animal doente, contou uma história qualquer e um pobre ingênuo caiu e comprou uma rifa, provavelmente a única rifa vendida. Por falta de concorrência no jogo meu tio ganhou ou melhor dizendo... perdeu!


Moral da história, se beber não dirija e nem compre rifa de elefante

3 comentários:

Tati disse...

to chorando de rir....ahahahaha
putssss depois tem gente que reclama do golpe do bilhete aahahha

fabers disse...

inacreditável essa história!

Anônimo disse...

David...
Simplesmente TE AMO!!!
Rê!!!