quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Aspirantes a Macabéia na Odisseia do Danúbio Azul

Em 1976, logo após ter sido reprovado na segunda época em português, retornei a 5ª série, só que sem a famigerada professora de francês e agora em outra escola.
Na época, era muito popular se matricular em um curso de datilografia. Claro que eu tinha fazer uma média em casa e também queria aprender a mexer em maquina de escrever. Eu e meus primos fomos nos matricular em uma escola perto de nossas casas, uma escola muito antigas, familiar, onde o pai dava aula, a filha e o genro também davam aula, ou seja a família vivia disso. (não sei como).
A sala de aula única era antiga, já naquela época, tinha umas dez mesas cada qual com uma maquina de escrever PROFISSIONAL, como dizia o velho professor.
As aulas no começo eram um porre, começávamos a treinar as teclas la se ia ASDFG -SDFGA -DFGAS - e assim por diante todo o teclado durante o primeiro mês.
Inicialmente nos comportávamos feito anjinhos, a professora filha, era muito legalzinha estava grávida, era toda simpática com aquela criançada. Mas nossa professora foi parir e deixou o professor pai, agora Avô, pra dar aula pra nós, o professor avô, era um pedófilo ( a gente nem fazia ideia que isso estava errado) e ele era todo bonzinho com minha prima e com nós era um carniceiro. Nunca fez nada além da simpatia para com a Kátia, mas com a gente era um saco, tudo que a gente fazia estava errado ou sujo.
Em um dia que ele foi almoçar ( sim a escola era tão doméstica, que eles iam almoçar, a faxineira, fazia limpeza no meio das nossas aulas) ficamos sozinhos.
Deu a louca em um amigo nosso e começamos do nada a assoviar a valsa Danúbio Azul e no pan-pan, fazíamos com a máquina de escrever, claro que um monte de criança besta, aquilo era a diversão e nem nos tocamos que o professor Mesozóico ouviria e reclamaria. E como! esse homem entrou na sala aos gritos falando que éramos isso e aquilo, que só a mocinha era boazinha que não podíamos mais estudar juntos e coisa e tal.
Logo ele quis mudar o horário da Kátia e eu fui atrás. dividiu em duas partes, meus primos e amigos ficaram naquele horário, a Kátia e eu, ficamos em um horário totalmente alternativo.
Era tranquilo, as aulas começaram a ficar cada vez mais chatas, o velho dava um livro, ora a Odisseia, ora a Ilíada para abrirmos em qualquer pagina e começar a datilografar.
Agora veja, crianças de 12 anos com a Ilíada ou a Odisseia para datilografar em uma pagina qualquer? Pouta que los parill de coisa chata!
Logo no segundo dia percebemos que ele só lia as 3 primeiras linhas e as 3 últimas linhas do que datilografávamos, não deu outra, pegávamos o texto e começávamos a criar histórias totalmente loucas, do tipo: Odisseu tinha uma banda de rock e saiu pelo mundo, Penélope vivia em perigo fugindo de Homero Gavião e assim por diante, como inventávamos, não precisávamos copiar, e se não precisávamos copiar, datilografávamos muito mais rápido, o professor vovô dava váááários pontos para nós dizendo que éramos os melhores alunos!

Datilografia se aprende, paciência não!

A maquina era parecida com essa, só que na versão BlackBerry
Eu e a Kátia exatamente na época que
 fazíamos o curso de datilografia

13 comentários:

Paulo Braccini disse...

Estas memórias são deliciosas e memoráveis ...

;-)

Paulo Rideaki disse...

Esta crônica revela o quanto era esperto desde cedo(moleque)!
Falo das tuas habilidades de estar sempre divertindo com alguma coisa "chata" e sempre estar desvencilhando , convertendo-as em algo de muito positivo em sua vida!
Uma forma de aprendizagem para nós seguidores, agora não espalha fica entre nós o rosto deste tal pedofilo ficou assustador neh !rrsrsrsrsrsrsrsrsrsr

david era uma vez... disse...

Pra quem não sabe onde se encaixa Macabéia do titulo: Macabéia era Datilógrafa, no Livro " A Hora da Estrela", Que só foi lançado um ano depois do meu diploma de datilografia, ok?

Heloisa Pinhatelli da Silva disse...

Valeu a explicação de Macabéia, muito embora eu continue sem saber do que se trata kkkkkkkkk

Moro em um Kinder Ovo disse...

Davi, vamos combinar uma coisa?? sempre passo por aqui, às vezes o tempo é curto e não é possível escrever o comentário. Mas sou sua fâ e acho os seus textos muito divertidos. Taí, vou estar aqui sempre que sair do internet banking, super deprê com o meu saldo. E cada vez que você publicar um texto novo já fica sabendo que me deixou feliz.

Palavras Vagabundas disse...

David, muito bom!
Aula de datilografia realmente é medieval... o pior que eu também fiz!
abs
Jussara

Elaine Castro. disse...

Também fiz curso de datilografia, só que na época em que todos já faziam de digitação para o computador, sempre estive atrasada em ralação as tecnologias, rsrsrsrsr.
Adorei a estória.
Beijão!!!!

maN bOwerline disse...

eu amei seu espaço e isso não é falsidade de blogueiro em busca de visitas e seguidores.eu realmente a-do-re-i aqui.Achei a memória super interessante e engraçada.Foto muito legal mesmo...
eu só posso dizer que amei isso tudo.boa noite!

DO disse...

Acredita que tbem tive que fazer este curso muuito chato? rsss.
O pior é que até hj eu só consigo datilografar,ops,digitar com um dedo de cada mão,rsss

Abração,David

Kelly disse...

Apesar de ter feito datilografia uns 10 anos depois de você, ainda usavam o mesmo método ASDFG HJKLÇ, e seu professor usava o tal banquinho pra tampar a visão do teclado e obrigar a decorar a disposição das teclas? rsrsrs
beijos

Tati disse...

Amorecoooo...ja to de volta, mas tava sem acesso a internet..hahahah
mas ainda tenho mais uma semaninha, desculpa néeee..mas tenho q dormir ate as 11 todo dia!! hahahahhahahahah
To com saudades de vcccccs
beijo beijo beijo
Tati

sol disse...

DAVID
PASSAR PELO SEU BLOG É UMA SUPER VIAGEM AO TEMPO.NÓS ERAMOS FELIZES PRA CARACA!!!!

sol disse...

DAVID
SOL SOU EU,SUA PRIMA LOIRA,LINDA,MARAVILHOSA QUE TE AMA
BJUS