sábado, 16 de outubro de 2010

No Ceara não tem Neve

Já vou avisando que essa historia queima meu filme lindamente!

Dezembro de 1984 ( 2 meses antes da historia anterior) fomos para o Ceara, papis, mamis, tios, tias, primos e 'moi'. Fomos conhecer as belezas das praias cearenses... e realmente praias maravilhosas, maaas minha historia não é bem sobre praia.
Duas caracteristicas do David que brigam uma com a outra. Adoro ou melhor, sou vidrado por frutas exóticas, tenho um fascínio que ultrapassa a coerência de uma pessoa normal, segunda caracteristica tenho intestino solto ao extremo ou melhor dizendo, vazante ao extremo. Dá pra imaginar a combinação de frutas exóticas com intestino fofo, certo?
Quando se vai para o nordeste em excursões as agências oferecem passeios extras, para conhecermos o máximo possível da região. Claro que íamos em todos esses passeios.
Saímos do hotel para um passeio de dia todo, onde fomos por varias praias lindas e paradisíacas. David estava com seus 20 aninhos e nem estava ai com que poderia acontecer daqui meia hora, colocou sua sunga e somente sua sunga e nada mais. Entramos no onibus e vamos que vamos para ver tudo.
Eis que chega o fim do dia, eu já tinha comido pelo menos umas 20 espécies de frutas desconhecidas que nem sabia o nome, minha barriga começou a conversar comigo, alias começou a gritar esmurrar a ter xiliques e tudo mais!
Bateu um desespero absurdo, cheguei delicadamente para o guia e perguntei se ainda iríamos parar em alguma cidade, ele disse que em meia hora chegaríamos em um lugar chamado "praia-grande" eu analisei o ronco do motor e vi que dava pra aguentar o tranco.
Chegamos num lugarejo lindo, o onibus parou em uma praça central onde havia uma feira de artesanato e uma fonte com uma espécie de piscina vazia... alias não tinha fonte só aquele tanque.
Antes de descer do onibus, perguntei ao motorista o que seria aquele tanque, ele me disse: -A maior parte da cidade, não tem abastecimento de agua, toda manhã vem um caminhão tanque e despeja agua para os habitantes.
Sai do onibus pensando como seria um banheiro publico de uma cidade nessas condições, claro que não demorou 5 segundos para descobrir como seria. O banheiro tinha 70cm de largura por 1metro de comprimento e parecia um filme de terror, o pior filme de terror que uma pessoa com dor de barriga poderia imaginar. Olhei para tudo e nada me faria fazer algo lá.
Parti para o plano 2. Sai correndo para o mar, praia linda, e dai? a dor de barriga era nefasta digna de tentar me matar. Só que era fim de dia a maré estava enchendo ou vazando, sei lá, só sei que eu entrava na agua até a altura dos ombros, ai formava uma onda e a agua teimava em descer até a altura dos meus joelhos.. não dava pra fazer absolutamente nada.
Parti para o plano 3. Voltei correndo para onde o povo do onibus estava, encontrei minha mãe e perguntei pra ela se ela tinha papel higiênico (Neve do titulo) ela me respondeu:- Só tenho aqueles lencinhos que vem com perfume que dão no avião.
-Meu Deus do céu, aqueles lencinhos cheios de álcool? já pensando em que estado ficariam minhas assaduras. Mas como o desespero já batia na porta dos fundos, alias já estava arrombando a porta dos fundos, peguei os lencinhos e fui correndo para o banheiro de filme de terror, onde disse que jamais iria.
Entrei naquilo, me pendurei feito homem aranha pra não encostar em nada, coloquei a sunga na minha cabeça pra não ter perigo dela cair em algum lugar podre. Fui, fui de corpo e alma, limpei com aqueles lencinhos, entrei em processo de incêndio instantâneo, coloquei a sunga e disparei para o mar, afinal tinha que apagar o fogo!
Encontrei o pessoal do onibus voltando da praia e dizendo que já era tarde e que não daria tempo para eu tomar um banho de mar... gente idiota... acha que eu iria ouvir alguém quando eu estava me sentindo um verdadeiro cometa!
Criei uma foto que queimasse o meu filme o mínimo possível
e que não deixasse esse post mais nojento do que já está

14 comentários:

Sandra =^.^= disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...
David estou passando mal aqui de tanto rir. Sei que não é caso de rir,o assunto é grave. Mas eu não guento.
Já passei por uma situação parecida e olha faltava 10 km p/ chegar ao destino...nunca pensei que 10 km demorava tanto pra chegar.
Deus me livre, que sufoco.
Bjos querido e bom final de semana pra vc.

Diego Hatake disse...

Ai que horror... Dessa vez eu não ri muito porque deu pena. Essas situações são terríveis. Não passei por uma dessas, mas quase... Só que euj jamais contarei enquanto viver! Hahahahahahaha!

Cintia Branco disse...

David,

Ó tristeza!!!
Já passei por situações assim e não é fácil, mas tive que rir e muito, não sou só eu que passei por isso, que coisa horrível de se sentir, rs.
beijos

Letícia G. Cruz disse...

UHUHAuhha.... Pior tenho o intestino igualzinho, parece que a dor de barriga sempre vem na hora de sair de casa, Parabens a história ficou bem divertida vendo com seus olhos.
Bom FDS...

Dois Ursos disse...

kkkkkkkkkk.
Ai cara, essa foi demais. O Coo assado acho que foi a pior parte. Imaginando depois do banho de mar, com aquele sal no anoos, voltando com a marinete da CEVECÊ de volta ao Hotel. Que pesadelo, kkkk
Conhece Atemóia ?
Vida de Dois Ursos

Filhão disse...

HAHAHAHA!! Muito boa essa história David!! Queria agradeçer o seu apoio no meu blog! Estou de seguindo também.
Abraços!

Lua Nova disse...

rsrrsrrsr...que situação difícil, meu amigo! É realmente desesperadora. Mas vc se saiu bem apesar do fogo na retaguarda!!! Meu marido tinha um bloco de carnaval que se chamava "Toco cru pegando fogo!"rsrrsrrs... deve ter surgido numa situação parecida, né não?
Beijokas.

Neli Rodrigues disse...

kkkk, eu qdo vejo que vc publicou algo, lá na barra lateral do meu blog, já venho prá cá rindo, sem nem saber qual é o assunto.
Depois minha filha fica aqui do meu lado perguntado porque estou quase morrendo de rir.
Suas histórias deveriam virar livros "As crônicas do David".
Bjs♥

cronicas gulosas disse...

David, este é o pesadelo recorrente do curioso. Já passei por isto ao comer um guaiamum em Recife, e um acarajé na volta em salvador. Foi bom na época, emagreci 3 kg! abs

Heloisa Pinhatelli da Silva disse...

Puts, você deveria ter arrumado um matinho, e depois cobrir, que nem os gatos fazem. Graças as deus o meu caso é o oposto em viagens e fico dias sem precisar visitar banheiros de praia.
Aliás, criativa a solução de sunga na cabeça...Se eu passar por situação parecida, adotarei a estratégia.

Tati disse...

Ai David......que situaçãooooooooo...morri de rir!!! só vc mesmo!
E a foto da praia ta hilária!!hahahahahahahaha, a sua cara!

Beijos mil
Tati

Renato Orlandi disse...

AUshuahsuahusha.....

Não ficou nojento, eu entendo essa situação ashuahsuas, só espero que esse fogo não tenha causado danos ehheee....

OMG, vergonha alheia :$

rsrs bjuu^^!

DO disse...

É o tipo de situação que não dá pra ficar pensando muito tempo,rsss
Fiquei até impressionado com sua disposição em ficar procurando "O" lugar,rsss

Abração!!

calma que estou com pressa disse...

oi David- solidriedade amigo- já pasei por isto- ficar comendo estes trem que o nosso intestino nãoestá acostuado - da nisto-
e pra piorar minha situação - há us dois anos (acho) tive que operar a vesicula, isto quer dizer - o figado tem que dar conta do processo sozinho- então tudo isto quer dizer - te vira - porque o figado nao acieta nada diferente e expulsa de uma forma dolorosa- já paguei cada mico por ser uma pessoa desivisiculada...
mas a tua foto está meiga demais
bjs