domingo, 25 de setembro de 2011

Almoço com os bombeiros

Em 1989, antes do incêndio da nossa fábrica de colchões (uma hora conto essa história), trabalhava comigo uma moça muito engraçada e que como eu, gordinha. Eramos conscientes e felizes com nossa silhueta afofada, seu nome era (e ainda é, pois ela esta viva) Leila.
Leila era a faturista da empresa, numa época que maquina de escrever, fichas Kardex, papel carbono e calculadora de mesa faziam parte da rotina desse profissional. Ela tirava de letra seu serviço chato e pára amenizar, todos nós do escritório, sempre tínhamos tempo para conversas aleatórias e divertidas.
Leila tinha uma irmã que trabalhava como telefonista no corpo de bombeiros próximo a onde estávamos, sua irmã, como estava sempre com um telefone grudado na orelha, ligava para Leila, e muitas das vezes eu atendia e acabei travando uma amizade telefônica, ela tinha uma voz fina e toda delicada, parecia uma boneca falando ao telefone, eu sempre brincava com ela e acabávamos rindo.
Surgiu vários convites, da parte dela, para um dia almoçarmos la no corpo de bombeiros, Leila e eu. Sempre me esquivava, pois achava estranho ir almoçar em um lugar que não era um restaurante e nem a casa de alguém, mas Leila sempre dizia, que era legal pois almoçaríamos no refeitório de lá e que ninguém se daria conta da gente.
Tantas foram as insistências, que um dia no nosso horário de almoço,  Leila e eu fomos almoçar com sua irmã no refeitório do corpo de bombeiros. Chegando lá fui conhecer a irmã, nossa, Leila era gordinha, eu gordo e digamos assim, sua irmã estava a 5 estágios acima de nós! Vê-la em frente a uma mesinha de 50cm de largura por 50cm de profundidade operando um PABX e ela tinha o volume 3 vezes maior do que essa tal mesa, me fez pensar que eu e Leila eramos Olivias Palitos. Mas estávamos lá para almoçar e não para um concurso de peso. A irmã de Leila simpática como sempre, prontamente nos apresentou a sua chefia e disse que estávamos lá para filar a boia, seu chefe, nos olhou e disse que estávamos com sorte, pois hoje a cozinheira tinha feito muita comida e havia caprichado muito. Senti uma pontada de ironia, mas ja estávamos molhados na chuva, era tarde pra procurar guarda-chuva e lá fomos nós para o imenso refeitório do corpo de bombeiros. Chegando no imenso refeitório do corpo de bombeiros e puta merda, o imenso refeitório do corpo de bombeiros era uma cozinha que cabia 4 mesinhas somente, entrei ja achando que tinha sido minha pior opção da semana,ainda não havia ninguém almoçando eramos os primeiros a chegar. Leila e a irmã acostumadas com o ambiente, pegaram  uma retroescavadeira e encheram o prato de comida, eu com toda a vergonha do mundo, peguei o minimo possível, sentamos numa das mesinhas que cabiam 4 pessoas e começamos a comer. Cada vez que chegava uma turma de bombeiros olhava pra nossa mesa de gente gorda, fazia  alguma piada do tipo:
-"Nossa! será que sobrou comida pra gente?"
As duas riam falavam bobeiras e nem ai pra galera, foram lá repetiram 23 vezes. Eu, mal conseguia comer aquele pouco de comida, estava numa crise de vergonha gigante, ficava imaginando: "Caray que vê essa mesa com 300 kgs de gente, claro que vai achar que a gente vai comer até o alumínio das panelas!"
Nunca mais fui lá! só voltei a ver esses bombeiros em ação quando 1 ano depois a fábrica pegou fogo!

Minha cara de homem das cavernas e Leila, a faturista
de rango

12 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Pelo menos a comida era boa?
bjs e boa semana
Jussara

Dalton Spider disse...

"Nossa será que sobrou comida pra gente?" Kkkkkkk Muito comedia...

Suas histórias são mt legais... Bom começo de semana!!!

Diego Hatake disse...

...estava numa crise de vergonha gigante, ficava imaginando: "Caray que vê essa mesa com 300 kgs de gente, claro que vai achar que a gente vai comer até o alumínio das panelas!"

David, tu me MATA de rir das coisas que eu jamais iria rir numa ocasião normal... XD
Abraços!

Edu disse...

Se as panelas fossem de ferro pelo menos dava uma "vitaminada" né? :-)

o Humberto disse...

Gente, mas você era a cara do Rolo.

o Humberto disse...

Ah, claro, ri demais do caso. Imagino sua cara vermelha de vergonha. Mas com esse cabelo 1989 da sua amiga, vc nem era quem tinha mais motivo pra isso.

Will e Fá disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Will e Fá disse...

Ri demais da crise de vergonha gigantesca!
Adorei a proposta do seu blog, eu adoro contar casos das antigas também... voltarei sempre!

Beijos,

Aline Camargo disse...

Daviiiiiissss!

Que delícia te ler de novo! Visitar seu blog é garantia de bons momentos.

Adorei a história, como sempr, dei risadas sonoras aqui!

Bjo imenso!!!

Lia Gloria disse...

E sobrou comida, depois de vcs? kkkk

Pattr!cia disse...

hahahahahahaha
Fiquei curiosa para saber se a comida era boa. Mas confesso que senti a vergonha aqui!
Gostei do estilo do blog. Eu tb adoro contar casos!
Beijos

Inaie disse...

O que eu quero emsmo saber e se vc inventa as suas historias, ou se TUDO, TUDO so acontece mesmo com voce...kkkkkk

:-)

Volta logo, to com saudade.

Ianaine