domingo, 29 de maio de 2011

Montado de que?

Em desses dias, depois do horário da faculdade, resolvi dar uma esticada para um barzinho com minha professora de Yoga Transcedental (preservar a professora é o dever de todo bom aluno) e sua amiga simpatissima,Celeste (chamaremos assim)A conversa era variadíssima, nada sobre Yoga, o resto valia tudo. Sei que em determinado momento, surgiu, após uma sessão de meia hora de risadas, uma conversa entre eu e Celeste:
-Nossa David, em outra vida você deve ter sido o Merlim!
Eu corrigi Celeste dizendo:
-Posso ter sido UM Merlim, pois Merlim não foi somente um homem e sim um cargo!
Celeste me olhou feliz e disse:
-Nossa David, pouquissimas pessoas sabem disso.
Nesse meio tempo minha professora que tinha se distraído com os morangos da bebida dela, voltou ao mundo e começou a prestar atenção na nossa conversa, quer dizer tentado entender o que acontecia na conversa. Ouviu calada nossa pseudo-intelectual-conversa.
-Sabe Celeste, eu tenho uma roupa de Merlim! já usei em algumas festas alguns anos atrás!! Muito legal foi minha ex-sogra que me fez! - Disse a Celeste todo empolgado.
Celeste ainda impressionada com o fato de eu saber que Merlim era um cargo, disse novamente:
-Impressionante David, poucas pessoas mesmo sabem disso!
-Inclusive Celeste, o nome do Merlim que a gente conhece se eu não me engano é Taliesin.
Foi nessa hora que minha professora parou a conversa com a maior interrogação do mundo na cara!
-Espera, espera! Vocês não estão falando daquela que tinha um caso com o Kennedy? A Marilyn era um travesti? Como poucas pessoas sabem disso e vocês sabem?
Eu olhei pra Celeste e caímos na risada, demorou uns 2 minutos pra conseguirmos falar algo.
-Professora! Primeiro, eu vestido de Marilyn com esse corpitxo? a Celeste que nunca me viu na vida, sabia disso? Segundo, a Marilyn era um travesti? que parte do universo você estava no inicio da nossa conversa? Merlin... Merlin... Rei Arthur!! Meia hora de risadas no barzinho.
Ainda a professora não consegue dar uma aula direito na classe se eu olhar nos olhos dela e fizer cara de Marilyn. Ninguem esta entendendo porque a professora esta rindo atoa!

Tenho certeza que se o Kennedy me visse a Marilyn
não teria chance!
(1999- Eu e Fianna/Isabella em uma festa mediaval)

segunda-feira, 23 de maio de 2011

24 de maio

O que aconteceu nesse dia?

Em 2005 houve um Tornado classe 5 em Indaiatuba ( isso mesmo, na cidade onde eu moro)
Em 1866 houve a Batalha do Tuiuti ( uma das batalhas da Guerra do Paraguai, repare na sua cidade, próximo a rua Vinte Quatro de Maio tem a rua Tuiuti)
Em 1337 começou a guerra dos 100 anos.
Em 1543 faleceu Nicolau Copérnico

É tambem:
Dia da Infantaria
Dia do Telegrafista
Dia do Digitador
Dia do Vestibulando
Dia do Detento (eu me pergunto pra que?)
Dia do Café

Por que tudo isso?

Pois então, o fato mais importante do Universo: 24 de maio de 1964 eu nasci! modesto é phoda!

domingo, 15 de maio de 2011

Saias justas que dão para minha mãe

Minha mãe já ganhou algumas saias justas, duas delas, ela jamais esqueceu.
Quando meu irmão Joanes tinha seus 4 anos de idade (1955), minha mãe estava escutando o desabafo de uma vizinha, que chorava, pois seu marido, vivia lhe batendo, minha mãe olhava penalizada para a mulher, dava conselhos, tentava acalma-la na medida do possível e apazigua-la, já que na época era imaginável alguém se separar. Nisso chega o Joanes e ouve parte da história e logo imagina a cena do homem lutando com a mulher e acha legal e não sei por que cargas d´agua vira para as duas e diz:
-Meu pai também bate na minha mãe!
Minha mãe olhou para meu irmão com os olhos arregalados e disse:
-Joaninho! Seu pai não me bate!!!
Meu irmão, achando legal essa historia de luta, replicou!!
-Ele ta sempre lutando com a senhora!!
Minha mãe que ficou com a cara mais sem graça do mundo, pensou "se eu ficar insistindo nisso, essa mulher vai achar que eu estou escondendo dela que eu apanho!"
A mulher olhou pra minha mãe tentou fingir que acreditava na inocência no meu pai, mais fazia cara de "ÉÉÉÉÉ Lurde.... fingi que é heroína, mas leva safanão do marido!", o assunto morreu rápido e ela se foi para casa, feliz, pois sua vizinha levava sova também!
Minha mãe tentou saber o que passava na cabeça do Joanes e ele sem dar muito crédito para o mico da minha mãe, disse que falou porque achou legal ter luta igual os filmes de cinema!

Passaram se 35 anos e minha mãe continuou ganhando saias justas.
Meu filho mais velho o Kim, estava na escolinha cursando maternal ou algo com esse nome, era 1990, sua mãe não poderia busca-lo, como regra da escola avisamos e deixamos o nome de quem buscaria. Nossa vizinha, que estava de carro, já tinha se proposto a ir, então tudo ficou combinado.
Minha mãe, Dona Lourdes a desesperada de sempre, achou que tínhamos esquecido de buscar ou de avisa-la de buscar. Toda solícita, lá foi ela a escola buscar seu neto. Chegando na escola, meia hora antes do horário, como é peculiar da parte dela, avisou a direção da escola que veio buscar seu neto. A encarregada, olhou para a planilha, achou estranho, pois não estava o nome dela. Minha mãe toda segura de si, disse:
-Sem problema, eu sou a avó do Kim, é só traze-lo que ele vai dizer quem eu sou!
E assim foi feito, veio a tia com o pequerrucho com 3 anos e lhe foi perguntado:
-Você conhece esse mulher?
Seguindo a tradição de deixar Dona Lourdes de saia justa, o Kim olhou pra avó e disse:
-Não! não sei quem é!
E se virou e voltou a brincar!
Minha mãe que a essas alturas já nem mais estava de saia justa e sim de saia caída! olhou com um sorriso amarelo para a encarregada e disse:
-Ele esta brincando!
A moça tentou ser simpática e disse que não poderia entregar o menino se ele não a reconhecesse e coisa e tal.
Minha mãe já toda sem graça e sem mais saber o que fazer, só lhe restou dizer um tchau bem alto para o Kim, assim ele perceberia que ela estaria indo embora.
Nesse momento o garoto viu que a brincadeira ia lhe custar caro e resolveu dizer que a velha amarela era sua avó! Para o conforto de todos e alegria geral da nação!
Saias Justas com crianças são o forte da minha mãe!

Nas pontas vitima e criminoso

Semelhança comportamental

quinta-feira, 12 de maio de 2011

O que se ouve

Onde eu trabalho, chega a ser um laboratório, um microcosmo  do que se vê e ouve no resto do pais.
Hoje eu ouvi uma pérola:
-Senhor Regiarnaldo Rossi (nome fictício, claro), o senhor tem que levar seu neto no puteiro, ele tem 18 anos, se o senhor não levar, ele irá virar gay!*
Eu olhei para o Ruberval (o mesmo desta historia) com cara de "não acredito no que você esta falando isso"
Ele me olhou e ainda com sua teoria disse:
-Se o garoto não for agora, ja vai querer ir na Parada Gay!*
O senhor Regiarnaldo Rossi, na defesa do neto disse:
-O Regiarnaldinho é novo, ele gosta de mulher, só não gosta de bagunça!
-Toma cuidado Senhor Regiarnaldo!* disse Ruberval em tom de advertência.
Pensei até em discutir, mas resolvi só dizer uma frase:
-Tanto trabalho pra se descobrir o motivo de ser ou não ser gay e Ruberval tem a solução! o mundo desperdiça os gênios dentro desta sala!
Sai pra tomar um café!

Regiarnaldo vai no lugar do neto, facinho

*Traduzindo para o nosso português, já que Ruberval fala um idioma quase desconhecido 

sexta-feira, 6 de maio de 2011

O preconceito, a igualdade e a religião

Não sou dado a falar de religião, não gosto e não levanto bandeira de nenhuma delas.
Há muito tempo digo que sou Agnóstico, só para não sofrer mais preconceito ainda, se eu disser que sou Ateu o céu cai sobre minha cabeça.
Mas analisando a história dos preconceitos e das liberdades conquistadas vamos ver que:
No Século XIX, quando os negros lutavam para  conseguir a liberdade e a muito custo conseguiram.
Havia, na mesma época, a igreja que afirmava que o negro não tinha alma.
No Século XX, as feministas lutavam para que as mulheres tivessem os mesmos direitos que os homens. A Igreja dizia que não poderia, pois Eva era culpada pelo pecado Original, portanto lhes eram cabível serem "inferiores aos homens"
No Século XXI a luta pelos direitos homossexuais esta ganhando a midia e agora ganha notoriedade nos direitos civis. A Igreja alega que na bíblia diz: " Deus criou o Homem e a Mulher e nada mais pode acontecer diferente disso e coisa e tal. E não aceitando e tosando qualquer direito a eles dado.

Mas percebam o seguinte, após um tempo que as minorias conseguem essas vitórias, a mesma igreja que condenava, vem dizer que sempre apoiou. Abraçam as causas ganham. Muito oportunismo.

Agora quero dizer que estou imensamente feliz com meu Pais, mostrou que apesar de toda a pressão religiosa que foi contra, os direitos homossexuais (que são os mesmos de todos) a partir de agora estão sendo respeitados pela lei e como lei é lei, doa a quem doer, vão ter que engolir!

Amém pra todos nós

Cores, credos, orientações, gêneros, tudo é pintinho, o que difere? 

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Dois tiranossauros nadadores glutões!

No inicio da minha adolescencia, eu e meu primo Roberto, primo do meu lado paterno ( lado da família que eu pouco mencionei até agora), íamos muito nas piscinas do clube Juventus .
Estudávamos no período da manhã e saíamos direto para casa de minha madrinha Maria Rosa, mãe do Roberto, ela já nos esperava com uma travessa gigante se panquecas. Nós como 2 bons adolescentes em fase de crescimento (crescimento para todos os lados, diga-se de passagem) comíamos muitas e muitas panquecas. Logo já estávamos prontos para nossa meta: Ir paras piscinas.
Minha tia preocupada com uma possível desnutrição futura pós exercícios de natação, nos mandava um saco com lanchinhos, lanchinhos que até hoje me dão agua na boca, não pela complexidade dos lanches e sim pelo capricho deles. Ela mandava 8 pães (oito!! algo bem delicado da parte dela) com tomates vermelhinhos, temperados com azeite sal e orégano.
Íamos felizes, já com uma forração de estômago garantida. Ficávamos nadando feito peixes (tá, estávamos mais pra baleinhas) até o sol se por e quando todos os adolescentes, que faziam o mesmo ritual, saiam das piscinas. Íamos para o vestiário rapidinho trocar de roupa, pois estávamos varados de fome, saíamos e sentávamos em frente a uma banca de pastel que tinha dentro do clube. Comprávamos uma coca-cola comíamos em 5 minutos nossa cota de lanchinho e já olhávamos com uma certa tara para os pasteis. Não dava outra, cada um comia 2 pasteis e mais uma coca cola bááásica.
Íamos para casa felizes, pois tínhamos feito nossa parcela esportiva do dia.
Amanhã teríamos mais, amanhã era dia de sair de minha casa para o clube, provavelmente outra comilança outro lanchança, pastelança e um pouquinho de natação.
A gente era muito delicadinho... comiamos pouco!


Eu com uma barriga que não era minha, minhas primas do lado
Ramos, minha mãe e meu pai com um terno do Surfista Prateado.
Não achei foto digitalizada do meu primo Roberto