terça-feira, 31 de agosto de 2010

Uma herança do céu

Em setembro 1974, meu pai comprou nosso sitio, de inicio meio que relutante, pois sempre existiu aquele ditado que, sitio da duas alegrias, a compra e a venda, mas nosso sitio, mostrou a todos que esse ditado não funcionou pelo menos para nossa família.
Um lugar lindo, cercado de montanhas e com vários lagos, que no verão é ameno e no inverno com temperaturas baixas e tudo isso muito próximo da cidade de São Paulo.
Minha infância foi altamente modificada com o essa aquisição, meus fins de semanas se alteraram, toda semana tínhamos coisas novas para aprender, de inicio com os animais tipo galinha, pato, marreco, coelho, cabra etc.. e depois com os animais selvagens que nos visitavam, feito bichos preguiças, gambas, cobras e até mesmo onças.
Mas o que mais foi interessante, para a nossa infância, foi o espaço que tínhamos, o verde, a lama, sim a lama, brincávamos na lama na época de chuva, andávamos na mata e voltávamos todo mordidos de insetos.
E o tempo que passávamos juntos, tínhamos tempo de criar brincadeiras, fizemos até desfiles de escola de samba utilizando o que se tinha de sobras por lá, no caso milhos de um milharal.Criamos o Gremio Escola de Samba Unidos do Milharal, com direito a samba enredo e tudo e claro fantasias utilizando roupas velhas das minha mãe, do meu pai dos meus avós e tias, tudo com muito sabugo e palha de milho.
Tivemos teatros, danças, escolas de samba, campeonatos, guerra de lama, banho de lama, excursões na mata passeios de balsa nos lagos e muitas outras coisas.
Mesmo os adultos se empolgavam, meu avó que era carpinteiro, deu uma de engenheiro naval e fez uma balsa de tambores de latão e tábuas e a geringonça funcionava, era um delírio para nós!

O mais lindo do sitio é que ele faz historia na infância de 4 gerações de crianças, a minha a dos meus sobrinhos, a dos meus filhos e agora a dos pequenos que estão surgindo na família... e isso não tem preço!
No inicio de 1975 na primeira "piscina"

A agua era de uma nascente meeeega gelada
mas era divertidíssimo morrer de frio nisso

Tinha até canavial, essa é uma das fotos mais antigas




















As aventuras no galinheiro
( pra que olhar para o fotografo?)




















Nos dias de hoje, as maravilhas da foto digital 
( se reparar na foto que comentei do canavial, tinha um chumaço de bambus
pois é, ele continua ali 36 anos depois)
















A casa e a piscina, construídas em 1976















Lourdes In the Sky With Diamonds
























Posando para pintura
( existe muito verde, pois parte
do sitio é reserva ecológica)

























Não tenho mais meus avós, não tenho mais meu pai... mas a herança do pedacinho do céu que ele deixou ainda esta por aqui!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Complementando o post anterior

Ai esta o cabelo que abalou Bangu!

O que isso pode ter ferido a moral e os bons costumes
da comunidade Glorinha Kalil que trabalha comigo?

Franqueza, opinião e educação

A partir da semana passada comecei a passar por esse dilema com pessoas amigas, outras nem tão amigas e outras nem amigas.
O que me aconteceu? bem, eu cortei meu cabelo e deixei um rabixo pequeno atrás (muito pequeno) e isso virou uma polêmica dos diabos! Quando alguém vê e diz, não gostei, tudo bem! acho que todo mundo tem seu gosto e eu não nasci pra agradar gregos e troianos, aceito numa boa. Mas quando a pessoa começa a te ridicularizar ou então questionar que você tem mau gosto ou que vai pegar uma tesoura e cortar o seu cabelo, isso começa a incomodar, Quando a pessoa começa a tentar juntar outras pessoas para tomar partido isso começa a me irritar... e gente, não queira me deixar irritado, não queira que meu humorzinho ácido seja despejado ao alheio. Eu sou cruel se necessário for!
E o que me irritou com tudo isso é que não foi uma  pessoa a fazer isso mas 4 pessoas.
Agora eu pergunto: Se eu gosto do que fiz se estou me sentindo bem, por que terei que cortar meu cabelo? só para não ter que aguentar as pessoas a reclamar ou a ridicularizar? Oras francamente!
Opinião é sua, franqueza tem limite e boa educação é ilimitada!!!!

O rabo da discórdia

















Nesta semana eu tiro uma foto do meu rabixo e coloco aqui para ser ridicularizado em rede

sábado, 28 de agosto de 2010

Se pensa...

Estávamos a recepcionista e eu conversando na recepção da Câmara Municipal, quando chega uma ASPONE ( Assessora de Porra Nenhuma) e nos pergunta: Vocês sabem onde fica, por aqui, a Igreja Quadricular? eu olhei sério, mas sem perder a chance de uma boa piada e lhe disse:- Jorgete (Nome fictício) repete comigo, não é quadricular é Quadrangular! Ela olhou para a recepcionista, com olhar de estou certa e disse a ela: - Você sabe onde fica a Igreja Quadricular?
Acha que eu iria perder o rebolado? Falei a ela: Jorgete: Quadraaaaanguuuulaaar! Mas nisso estava entrando o vigia que é um expert em igrejas evangélicas. Eu logo remendei: Pergunta pro Baltazar (nome fictício também) ele conhece todas as igrejas do universo!
Jorgete vira pra Baltazar e diz: Você sabe onde fica a igreja Quadricular? Eu não me contive! Falei: -Jorgete olha minha boca  Qua Dran Gu Lar! Ela respondeu: -Eu penso que o correto é Quadricular! Eu sai da recepção lhe dizendo: Se você consegue pensar, pra mim já é um progresso!

Jorgeteeeee!!! achei a sua igreja!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Pinta?

A gente pensa que não da pinta...
Estava saindo a pé da academia, conversando com um menino, num papo super 'estamos indo para o ponto de onibus', aquela conversa besta do tipo; que onibus você pega?, em que você trabalha? a academia é adrenalina.. Ai o menino me vem :- Desculpa perguntar,  mas o Senhor é cabeleireiro? o senhor parece com o cabeleireiro da minha patroa....
Ai pensei... será que tô pintosa?

Eu heim!
Boa Noite!

Sachê gigante

Eu tenho pânico de ficar cheirando mal! Declaro mentalmente isso todos os dias...
Já saio de manhã feito um imenso sache desodorizando qualquer ambiente onde ando! Deveras, odeio pessoas fedidas, odeio andar no onibus e sentir aquele cheiro de bolinho, logo cedo.
Meu medo é tanto, que basta sentir o cheiro de outra pessoa, que eu começo a me cheirar achando que sou eu! Agora imagina na academia? passo a metade do tempo me cheirando, já que lá, tem uma galera do mau.... do mau cheiro. Gente, tem um tiozinho que eu nunca vi nada igual, o homem cheira a 10 metros de distancia, isso faz com que meu sistema de defesa fique ligado e eu comece a pensar que o cheiro pode empreguinar me.
Onde eu trabalho, na Câmara Municipal é triste, pois vem muita gente procurar vereadores e as vezes vem pessoas que parecem que não vêm agua a muito tempo e exalam um cheiro que é um misto de creolina com curral.  Imagino que esse povo alem de querer dar a mão pro vereador queira dar um abraço...éééé quer voto? tem que se sacrificar um pouco!
Mas tem ainda a outra galera do mau... do mau hálito. Isso mereceria um capitulo a parte, mas prefiro dizer que sofro muito com o mau hálito alheio.... ossos do ofício ( olha que nem sou dentista).
No meu dia dia sou básico, desodorante em creme sem cheiro pra não brigar com perfume e depois umas borrifadas de perfume em lugares estratégicos para que o cheiro se mantenha durante o dia, e na boa, perfume bom não significa somente cheiro bom, perfume bom tem que ter fixador bom!

Sou um sache gigante e muito bem cheiroso, modéstia às favas:



Amo esses 2 perfumes e estou sempre banhado por eles!
E não estou ganhando nada fazendo propaganda deles, OK?


quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Quadrinhos de paixões

Quando criança gostava muito de historias em quadrinhos da Disney e da Turma da Mônica, era um consumidor ferrenho, lia tudo,  mantive essa paixão pela adolescencia. Passou se os anos lia um pouco aqui outro acolá... lia coisas diferentes mas nada expressivo.
Quando meus filhos eram pequenos, começou a passar na TV uma série animada, que logo eles quiseram bonecos. Quando me pediram um tal de Wolverine, alguma antena escondida em algum lugar do meu cérebro começou a prestar atenção no que se tratava esse tal desenho animado. Gente isso caiu como uma bomba na minha cabeça, virei um fanático consumidor, de inicio pelo desenho animado dos X-Men e logo em seguida descobri as revistas em quadrinhos, comecei a ler sem parar como se fosse algo viciante, comprava todos os 'gibis' que saiam e comecei a peregrinação em sebos, atrás das revistas antigas, já que descobri que X-Men, no Brasil, era publicada desde os anos 70. Compulsivamente (como é minha cara) fui atrás de tudo que aparecia, e minha coleção crescia rapidamente. Eu restaurava as revistas velhas que estavam em péssimo estado. Fazia listas para saber qual faltava, já que historias de super-heróis tem continuidade e você precisa saber o que aconteceu na X-Men nº15 pra poder entender a 45 por exemplo.
Colecionava Cards, colecionava as revitas americanas... um fanático!

O Clark, no dia que me conheceu, eu estava usando uma camiseta com a estampa de  alguns integrantes dos X-Men, só que alguns não famosos e com uniformes totalmente diferentes, quando ele ouviu me explicando para uma terceira pessoa quem era quem na camiseta, ele pensou: OPA! esse também conhece!
Começamos a conversar  sobre quadrinhos, pois é umas das maiores paixões dele também. Discutir sobre quadrinhos até hoje é uma das coisas que mais gostamos de fazer.... brigar por causa de um super herói é algo delicioso!! ( coisa de adolescente, da licença)
Quando resolvemos morar juntos, juntamos as minhas e as deles... heheheh temos por volta de 3 mil revistas, que não emprestamos, não damos e não vendemos... e ainda vamos naquelas feiras loucas que tem sobre quadrinhos e trazemos mais um montão... teremos que fazer um quarto só para elas!
Outro detalhe, eu dava bonecos de super herois para meus filhos mas os bonecos ficavam na minha estante e eles não podiam mexer eu tinha uns 15 mais ou menos, ai vem o Clark com sua pequena bagagem de bonecos... uns 200!! minha casa parece casa de adolescente Nerd.... Ninguem imagina que mora dois homens adultos e responsáveis!!!


Bonecos espalhados por todos os lados












um tiquinho das revistas
Os 2 com camisetas dos X-Men
repetidas por que nenhum quis abrir mão delas

Psylocke dos X-Men
Minha Tatto no braço

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Guaraná com rolha

Eu conto minhas patacadas e fica parecendo que minha mãe só teve trabalho comigo... ledo engano... sou o último de casa, creio que minha mãe teve até um certo 'know-how' com minha pessoa.
Meu irmão mais velho, na infância foi até que comportado, somente uma enxada caiu na cabeça nada de muito grave ( Pensando bem, como ele conseguiu levar uma enxadada na cabeça, se morávamos na cidade de São Paulo?)
Agora o meu irmão, o Cacique Ubirajara, aaa! esse foi 'soberb', com 3 anos de idade, ele toma um copo de cândida (agua sanitária, agua de lavadeira ou corretamente falando Hipoclorito de sódio) e foi um Deus nos acudam por que alguém colocou o troço na garrafa de guaraná e o menino sem pensar 2 vezes tomou um copo todo!
Um ano depois, já com mestrado na arte, foi visitar a oficina do meu tio, e lá encontrou outra garrafa de guarana, não pensou 2 vezes, virou num copo e tomou o copo todo.... ô beleza, só que dessa vez era Tiner, (desconfio que meu irmão deveria ter frequentado os narcóticos anônimos, quando criancinha). Ai sim, foi um desespero, pois o moleque virou os 'zóio' e quase vai!
E mais uma vez no hospital, uma lavagem estomacal e tudo no lugar, tudo? Não, o menino tinha lombrigas, que depois dessa feita, resolveram ir embora, todas de uma vez.... ter um senhorio que faz isso, ninguém merece.
E o Cacique Ubirajara cresce forte e saudável ( não cresce muito, é o mais baixinho da casa) e vira um esportista, não sei se o melhor, mas se for pela quantidade de fraturas, foi recordista do bairro, 4 vezes as pernas e 8 vezes os braços!
Hoje em dia meu irmão continua carregando resquícios dessa mania com refrigerantes, pois ele vive aparecendo com refrigerantes estranhos em casa, tipo sabor Abacate, café, abacaxi, melancia, melão, de cor azul, verde, rosa, etc.... ( que sinceramente não faço ideia do que sejam).

Quem via a classe do garoto... nem imaginava que ja
 tinha tomado, Hipoclorito e Tiner.  Soberb!!

























Coisas de Bira

domingo, 22 de agosto de 2010

Ensaio sobre a cegueira (a minha)

Já aviso que só me entende quem já chegou aos 40 anos.

Alguns anos atrás, fui numa festa de família, aquelas festas que mostrei em fotos, que tem uma tonelada de tios e primos. Minhas primas estavam conversando comigo, quando recebi uma mensagem no celular. Li a mensagem facilmente e elas me olharam admiradas e perguntaram: -Como assim David? você ainda não esta usando óculos para perto?
 Eu achei engraçado a pergunta pois pra mim era normal ler mensagens no celular ou ler bulas de remédio. Minha idade na época: 41 anos.  Minhas primas que tem a mesma idade que eu, reclamavam que de uma hora para outra começaram a não enxergar coisas muito perto e ter que esticar o braço. Eu ainda brinquei e disse: -Ah! vocês estão velhas!!
Triste fim de Policarpio Quaresma! 6 meses depois desse comentário, como num vudu bem feito, como um balde de agua na cabeça ou como acordar enxergando embaçado após uma noite mal dormida, apareceu a maldita Presbiopia ( só sei o nome porque o oftalmo me disse).
Comecei a não enxergar coisinhas de perto o meu celular de uma hora para outra ficou com letrinhas, os livros passaram a a ter letras flutuantes, as revistas em quadrinhos começaram a ficar com os desenhos animados e as bulas aaaa as bulas passaram a ser em códigos de barra!!
E essa maldita sina da idade "enta" vem em forma galopante e a cada ano que passa, aumenta um tanto. E crianças, engano você achar que, se você usar o óculos direitinho ela vai estacionar.. BOBAGEM!!
Quanto mais você usar o maldito óculos, mais ela cresce.. e se você não usar, ela cresce!! ODEIO!!!!
Só fico feliz que meu problema é  para perto, assim não tenho que ficar usando aquelas geringonças multi focais que você tem que mirar por onde olhar e o que olhar!!

Acessório de bolso após os 40













Minhas primas, como podem ver, temos a mesma idade,
elas começaram antes que eu a ficarem  'entas'
(aquele banana de risada de orelha a orelha sou eu, caso haja dúvida)

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Torta de escarola da Lurdona

Dona Lourdes tem receitas que sempre faz, mas de um tempo pra cá esta ficando esperta, toda vez que a gente se reúne, fica sentada na cadeira com uma batuta orquestrando a gente... e ai da gente se não fizer como manda!!
Se bem que ela esta certíssima... caramba.. esta com 81 anos... já esta mais que na hora de se aposentar da cozinha (coisa que ela se recusa em fazer no seu dia a dia).
Estive tendo umas ideias de levar minha câmera fotográfica e documentar suas receitas para não perder sua essência e seu modo de fazer. Ter na memória não é o suficiente. Já basta ter perdido receitas das minhas avós, as vezes coisas tão simples, mas que por ser tão simples, não conseguimos reproduzir. E quem sabe no futuro, um livro com a culinária da minha família!
Vamos a uma receita não tão antiga, mas que desde que surgiu na casa de minha mãe tornou se tradicional.

A torta de escarola!

Minha mãe se prima por abundância de ingredientes, as vezes parece que tem 15 pessoas para comer e só esta ela, meu filho Yan e eu.

Recheio
3 maços de escarola  refogadas com alho, cebola e sal
3 ovos cozidos
300gramas de mussarela
1 copo de requeijão (200gr)
50gramas de bacon frito (opcional)
OU
200gramas de presunto (opcional)

Massa:
4 ovos
2 colheres de maionese
2 colheres de margarina
3 colheres de creme de leite (tudo muito gordo)
1 pacote de queijo ralado 50gr
1 1/2 copo de leite (250ml)
500 gramas de farinha de trigo
2 colheres de sopa de fermento em pó
sal. pimenta do reino (opcional)
Não existe segredo... coloque os ovos e as gorduras incluindo o creme de leite no liquidificador bata tudo e vá acrescentando o restante dos ingredientes da massa. ver!!! No meu caso eu preferi colocar na minha famosa tigelona laranja e misturar tudo com meu 'ploc ploc' (misturador de mola). A massa fica com consistência de massa de bolo.
Pra montar. unte uma forma média (a minha é redonda 30cm ) coloque uma camada de massa, uma camada de mussarela , ovos cozidos fatiados, escarola, requeijão, presunto/bacon, massa, mussarela de novo, ovos, escarola, requeijão, presunto/bacon e massa por fim polvilho com queijo ralado. Asse por 40 minutos ou até dourar bem!!!

Note bem: procure escorrer beeeem a escarola pra não ter liquidos em contato com a massa.....

Na 1ªfoto, eu fiz a torta com uma maço de escarola só... e ficou pobrinha de recheio, note que eu optei pelo presunto, na outra foto da torta, a da minha mãe que esta de longe, esta completinha... ficou bem melhor! (ai de mim se eu falar que a minha ficou melhor).
Essa é a minha torta, como se pode ver, um maço de escarola é pouco!
Toda fofas fazendo a torta, mas, só pra foto, por que estavam
resmungando uma com a outra o tempo todo..coisas de irmãs!!

A Torta da Lurdona ( minha mãe, segundo o Clark) e do lado,
meu humildezinho antepasto de berinjela

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Minha Querida Bibelô!

Não poderia deixar de registrar o aniversário de minha musa!! a 2 anos atrás, comentei aqui e minha musa era uma estrela distante em que eu não podia tocar, hoje, sou grato ao destino por conhece-la, por poder ser amigo, por poder abraça-la e dizer o quanto a admiro!

Belô Velloso! Minha querida Cantora, compositora e acima de tudo amiga! Quero que este dia seja coberto de felicidades e que toda a beleza do mundo esteja com você! Sempre te digo, você já é abençoada de ter uma família com tanta gente linda.
Sucesso minha Bibelô, sempre!!!

Feliz Aniversário!!! minha Amada e Querida

Clark, Belô Velloso e Eu ( que tô parecendo uma baleia)



Só penso nela
Bellô Veloso
Composição: Érica Nande

Vendo o mundo se mover sem fim
Todo o tempo eu só penso nela
Flores brotam, vivem e morrem em mim
Todo o tempo eu só penso nela
Chuva cai, molha seque aí
Todo o tempo eu só penso nela
Ela pensa o que faz comigo
Eu penso o que fazer com ela
Pois eu quero lhe agradar
Se todo tempo penso nela
Eu agora só me ocupo do que dela vou pensar
Meninos crescem ao som do Carnaval
Todo o tempo eu só penso nela
Só desejo chocolate e beijos
Todo o tempo eu só penso nela
Olhos verdes de um amor sem medo
Todo o tempo eu só penso nela
E a saudade que não sai de perto
Todo o tempo eu só penso nela.


Você não conhece essa?

Mas esta eu acho que você conhece

Por te querer

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Caindo pelas tabelas

Nunca fui uma pessoa muito equilibrada, veja, não estou dizendo no sentido mental, estou dizendo no sentido equilíbrio mesmo, aquele negocio de se manter em pé.
Desde novo, tenho histórias problemáticas com isso, aquelas de cair em clube campestre e ficar pendurado pelo arame farpado feito peixe fisgado!
Em 1973, eu comecei o ano caindo de bicicleta e enfiando a alavanca do breque no pescoço, muito próximo da jugular, criando um acidente terrível e ensanguentando carro do parente desconhecido de um vizinho que estava nas imediações. No fim do mesmo ano, atravessei uma porta de vidro, fazendo um estrago no braço, e corre de novo com o David para o pronto socorro, que nessa altura, eu já tinha carteirinha de sócio!
Quando minha sobrinha nasceu, estava voltando da maternidade, eu e minha mãe, resolvi pular aqueles trilhos que as pessoas colocam  de pé nas esquinas pra proteger a calçada. Pulei mas esqueci as mãos e não deu outra, girei feito uma Daiane dos Santos, só que caindo feito um avião sem trem de pouso. Minha mãe? olho e deu risada e ainda deu um bom: Bem feito! Adoro o instinto materno! Acostumada com um filho que se esborracha a toa nem ligou muito.
O tempo passa e eu vou me aprimorando nos tombos, aula de educação física era um terror, correr era sinonimo de tombo, coisa que até hoje eu levo. Basta saber que na academia sou o único fulano que corre na academia feito um louco e que não tira as mãos do "segurador" da esteira.
Já cai de uma escada com um tampo de mármore de mesa nas mãos, destrui o tornozelo, mas o tampo ficou intacto, praticamente um herói.
Sem ser um esportista já rompi 5 vezes os ligamentos do tornozelo.
Quando comecei a trabalhar na Câmara, um dia antes do meu primeiro dia, eu e meus filhos estávamos brincando de escorregar no quintal, enquanto lavávamos (tá, eu dou sopa pro azar), não deu outra, eu me esborrachei e machuquei feio os dois joelhos.. mas como fazer? logo no primeiro dia de serviço, aparecer com um atestado? fui trabalhar com 2 joelheiras e fazendo o possível para não sentar já que dobrar os joelhos me matava de dor.
Quando começaram a reformar a Câmara, cavaram uma vala gigante com 1,7m de profundidade, para passar a fiação e essa vala passava por varias salas, inclusive a minha, e eu vivia falando: -Alguém ainda vai cair nessa vala, não adianta colocar esses tapumes se os batentes da porta ficam desprotegidos! Avisava todos os dias e ninguém ligava.. e Adivinha? quem caiu la dentro? eu... fiquei preso dentro do buraco. Ai eu te pergunto, quem veio socorrer, ninguém!!! todo mundo fica dando risada. O jeito é aprender a ser acrobático... cair e rapidamente levantar-se e esperar que poucas pessoas tenham visto.... maaas se muita gente viu e você sabe que vai rolar risada. Faça drama, comece a gritar de dor, diga que você quebrou algo simule um desmaio. Assim o que seria risada, vira assistência!!! Cada um se vira como pode!!! O importante é não perder a guerra!

Sempre torto, sempre quebrado




Ainda bem que não tem gelo onde eu moro

Uma vez só estive em cima de um skate e não foi muito diferente disso

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Preenchendo lacunas

Vamos combinar que estar gripado, não é só estar com as vias aéreas congestionadas, acho que até meu cérebro também esta entupido. Então para não ficar tanto tempo sem nada por aqui e não dar aquele ar de blog abandonado, vou deixar um 'trocinho' que escrevi a 15 anos atrás, alias o único que sobrou de um punhado que perdi por conta de um HD infectado.

Eu sou o que sou
nem uma pedra a mais
Nem um pelo a menos
sou transparente o tanto
que um ser humano pode ser
Tenho uma linha
que pode ser torta para alguns,
mas é a linha que eu sigo
desde que a risquei
Portanto, sou diário
que não tem cadeado
onde todos podem ler
só, que para isso,
precisam entender a minha letra

David Ramos


Francamente, este post esta muito narcisista.....

domingo, 15 de agosto de 2010

Filho da Chiquita Bacana!

No mês passado eu comentei sobre as gafes de minha mãe, mas devo confessar que já estou no caminho.... sou o mais puro filho da Chiquita Bacana!!
Ontem passei o dia no evento de rugby que também comentei por aqui,  Uma amiga minha, a Olivia, comentou sobre um garoto, que estava lá, que mais parecia um deus grego do que um jogador de rugby e que era namorado de sua amiga de faculdade. Admirei o rapaz e continuei minha conversa, falando milhões de groselhas e tal. Em um determinado momento chega a tal amiga da Olivia, que ela me apresenta como a sortuda do namorado "Deus Grego" e eu falei pra menina que ela realmente era sortuda e tal... Podia ter parado nisso... mas não, o David tinha que ilustrar a situação e com o perdão da palavra, cagou na cena! Já soltei a pérola digna do filho da Chiquita Bacana: -Sabe moça, antigamente, quando uma moça muito muito linda namorava com um moço feio, os amigos diziam que ela estava namorando com ele por que viu ele fazendo xixi... Acho que seu namorado viu você fazendo xixi! - Gente eu falei isso!!! alguém pode imaginar? ta certo que a menina não era nenhuma flôr de formosura, mas caramba, eu não podia ter parado no sortuda?  A menina deu um sorriso amarelo, saiu de perto e eu fiquei lá, com cara de pirulito....
Mais tarde a Olivia me contou que a garota perguntou a ela, se eu a chamei de feia. Olivia disse que ela não tinha entendido o contexto da história... Santa Olivia!
Eu notei que a menina toda hora ficava me fitando de longe pra ver se eu estava secando ela ou o namorado... Eu? eu estava tentando me esconder de baixo da arquibancada.
Próxima etapa das gafes é achar natural e não perceber que gafei!!! será que falta muito?

Santa Olivia tapadora das gafes alheias!!! vou acender uma vela de 7 dias pra ela

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

O que te irrita quando você esta sozinho em casa?

A lista pode ser gigante, mas acho que vou separar por cómodos assim fica mais fácil lembrar.
Lembre que te deixaram em casa sozinho(a) sem carro e você, em um primeiro rompante se sente feliz por poder fazer zilhões de coisas. - BOBAGEM!

Começamos com a cozinha:
Você acorda pra tomar seu sagrado café da manhã e antes de sairem de casa tomaram todo o seu leite.
Ou
Você tem a ideia genial de fazer um bolo, pega todos os ingredientes e manda ver, ta ficando lindo, ai só falta colocar o fermento, pega a latinha e a latinha ta v-a-z-i-a. Delicia de situação.
Pode ser pior, muito pior.... o gás acaba no meio do crescimento do bolo ODEIOOO!!

Vamos para o quintal ou lavanderia:
Os seus bichinhos estão famintos, tadinhos, você acordou tarde, afinal você esta sozinho em casa, não tem ninguém pra te acordar, você vai la pega o grande pote onde guarda a ração dos gatos ( que só comem ração) e óóóóóóó, esta vazio! que lindo... os gatos começam a saltar em cima de você, começam a achar que são tigres e você um filhote de elefante (no meu caso) e tentam te devorar. O que te resta fazer num lindo sábado? Sair, pegar ónibus para comprar ração para suas feras..... NOTA 10000

Vamos para a sala:
Ta frio... você foi na cozinha fez um chocolate quente, fez umas coisas bem gordas para comer, pegou seu travesseiro de estimação no quarto, seu edredon, deitou-se em frente a TV, todo coberto, confortável, com a bandeja e começa a a pensar em sorver seu chocolate quente e assistir a um filme no seu DVD player e admirar a neve que parece que cai no restante da casa (licença poética). Você começa a procurar no braço do sofá o maldito controle remoto, visualiza de onde esta toda a sala, pra ver se acha a meia dúzia de controles remotos, que se faz necessário pra ter aquela vida sedentária e deliciosa em frente a TV e não vê nada.
Você, pega desmonta toda sua 'cabana' olha se os esta chocando e deixa todo seu confortável iglu e vai atrás dos seus controles remotos nas pradarias siberianas que sua casa se tornou, após você se deitar no sofá, para descobrir que deixou 2 controles ao lado do micro ondas e outros 2 na sua cama, quando foi buscar seu precioso travesseiro. EU QUERO MORRER QUANDO ACONTECE ISSO!

Vamos para o banheiro: O CAMPEÃO

Clássico: correr, sentar na privada e descobrir que não tem papel...
Estar meditando na privada e o telefone/campainha se põe a tocar... (a Helô que me lembrou dessa)
Esquecer a toalha e só perceber depois que tomou banho? Se enxugar com uma toalha de mão ou esperar que o frio congele as gotinhas de agua do seu corpo e caiam todas no chão... sei lá!!
Estar molhado descobrir que não tem sabonete no box e você vai ter que tomar banho de Shampoo.

No quarto: Convenhamos o resto da casa até que é divertido ficar sozinho, mas no quarto.... pó para!!!!! liga e manda voltar!!! que já ficou muito tempo na rua!!!

Tá, eu já passei por isso ... dá pra perceber.. eu sei!





Sua sala quando você sai do edredon atrás do calice sagrado, digo, do controle remoto

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Meu verdadeiro motivo de gostar de Rugby

Até pouco mais de 2 anos eu não fazia ideia do que era Rugby, não fazia idéia mesmo. Mas quando o filho aparece dizendo algo, você ouve, computa, mas continua não tomando 'tento', afinal todos os dias, eles trazem algo novo que irão praticar pro resto de suas vidas (dura 2 semanas no máximo). Mas quando seu 'coração' resolve jogar... ai o papo muda, você passa a se interessar pelo que seria esse parangolé. O que despertou o interesse do seu companheiro por esse esporte. No inicio ouvia o Clark (Clark = o coração que mora fora do meu peito, mas mora comigo) explicando o funcionamento do jogo e eu boiava muito... fui assistir muitos jogos e não vou mentir, demorei absurdamente pra entender algo. Tá certo que eu ligava meu DDA (Distúrbio de Deficit de Atenção) e começava a prestar atenção nas pernas dos jogadores ou então na bola em formato de ovo ou qualquer coisa que estivesse em um raio de 300 m do campo. Mas passou-se o tempo e eu aprendi, até dei uma aula aqui veja. Agora assisto o jogo, grito na hora certa, sei quanto vale cada pontuação, consigo mais ou menos saber o placar ( note que só tem um individuo no campo com uma planilha que consegue saber o placar exato), fico todo feliz e orgulhoso de ver o MEU Clark jogando. Meu filho Yan, que trouxe a idéia pra casa, parou de jogar logo no inicio, a faculdade, o trabalho e principalmente a Banda tiraram o interesse pelo esporte, coisas da idade.


Neste fim de semana, teremos aqui em Indaiatuba, uma das Etapas do Circuito Paulista de Rugby modalidade Seven's, um dos eventos mais importantes desse esporte. Alias, esporte que estará nas próximas olimpiadas e onde já se pode ver futuros jogadores da nossa seleção.
Estejam todos convidados a prestar atenção nesse esporte.... e mulheres..... TEM MUITO HOMEM INTERESSANTE JOGANDO!



A modalidade Seven's é ótima pra quem nunca assistiu, pois dura pouco tempo, 7 jogadores jogam durante 2 tempos de 7 minutos


Meu jogador preferido! Mon cœur


Tornados Indaia Rugby


Um jogo delicado, calombos e hematomas por todos os lados, como ja disse em outro post

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Dia do melhor Pai

Já vou falando que escrevo isso com lágrimas nos olhos.
Vi em vários blogs, nesse dia dos pais que passou, comentários de ausência de um pai... mas a ausência de um pai presente, a ausência de um pai que nunca fez nada mais do que ter contribuído com o banco genético do filho.
Eu já falo da ausência de um pai, de um pai maravilhoso, um pai que, enquanto vivo, sempre esteve presente, que sempre soube fazer o melhor para nós, seus filhos e netos.
Um pai que quando ficava bravo, no máximo cruzava os braços, ficava vermelho e sua tempestade não passava de uma garoa. Trabalhava pra dar o melhor para nós, não importando a idade que tínhamos, sempre se preocupava em nos agradar e dar agrados.
Quando virou avó tornou-se 10 vezes pior... pois para os netos nada era impossível, chegou ao ponto de querer comprar um fusca (de verdade) para meu filho que tinha 3 anos, por que ele era doido por 'fuquinha', tivemos muito trabalho pra tirar da cabeça dele essa ideia maluca!
Mas um dia tivemos uma noticia que foi uma das piores coisas que já nos aconteceu, meu pai foi diagnosticado com câncer no pulmão. Vivemos um turbilhão de emoções e durante 4 anos e meio vimos nosso pai se definhando até o desfecho de sua morte. Quatorze anos se passaram e todas as vezes que falo disso, me correm lágrimas. Como gostaria que ele estivesse vivo, como gostaria que ele estivesse com minha mãe, sei que se estivessem juntos, minha mãe estaria muito mais feliz e amparada. Mas não temos domínio sobre nossos destinos, temos que aprender a viver e seguir com a falta das pessoas que amamos. Sei que aprendi, aprendi muito. Não sei se meu pai estaria tão de acordo com minha vida atual, mas sei que ele jamais deixaria de me amar por vive-la!
Dia dos pais sempre será comemorado com alegria... Pois eu tive o melhor pai!
Eu tento ser um bom pai!
E você é um bom filho?

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Que nome darei ao bebe, na antiguidade

Imaginem uma familia onde seu avô português quer que todos, eu disse TODOS, os seus netos tenham o mesmo nome que ele. Pois é, meu Avô Ezequiel adorava o nome e sempre fazia uma certa pressão nos filhos para que isso acontecesse.
Meu pai que se chamava João, mas por ter nascido no caldeirão de imigrantes que comentei num post anterior, desde pequeno era chamado de Joanes, colocou no meu irmão mais velho, o nome de Joanes, e nem deu ouvidos ao pai.
Quando foi o meu irmão do meio as coisas aconteceram... e como aconteceram, naquela época, é obvio, não existia ultrassom e mãe nenhuma escolhia nome antes. Todos esperavam o nascimento de uma menina e nasce mais um homem, meu avô oportunista de plantão, ja veio com a ladainha de colocar o nome de Ezequiel, bla bla bla... meu avô materno, não falou muito, mas era nitido que gostaria do nome dele. Meu pai tomou a decisão de que o primeiro médico que encontrasse no corredor do hospital, iria perguntar qual o nome e iria direto para o cartório registrar. Meu pai saiu do quarto logo encontrou um médico e perguntou lhe o nome: Ubirajara! Meu pai saiu e foi registrar. Se fosse eu, iria procurar o segundo, o terceiro, o quarto etc..., mas meu pai com sua palavra ferrenha não mudou uma virgula de sua promessa.
Chegou de volta no quarto e veio dar a noticia para minha mãe e para os 4 avós que estavão no quarto, imaginem 1 português e 3 espanhóis.... Houve uma guerra.. minha mãe, primeiro achou que meu pai estava brincando, depois achou que ele estava bebado, depois ela pegou o registro e quase teve um colapso.... Meu avô português quis matar o filho e disse que chamaria o neto de Ubiralata, o avô espanhol de Ubirarrara as avós que nessa altura já estavam menos nervosas tentaram amenizar, ambas chamariam no de Ubiraxara, (o máximo que um espanhol consegue absorver do Jota brasileiro).
Mas isso passou, apesar do nome destoar do resto da família, o costume faz com que não soe estranho. E ele sempre foi o xodó da familia por 10 anos... até o rapaz que aqui escreve, nascer, modéstia as fávas!
Meu irmão nunca sofreu muito com isso... alias sempre acharam que meu pai era fã de José de Alencar e meu pai acabou sendo um intelectual por tabela.

Dei uma ajudinha pra visualizar qual seria o Indio Ubirajara Luso-Espanhol

Detalhe: O hospital era de uma família no qual os donos eram os doutores Ubirajara, Ubiratan e Ubirui.... continuo falando.. se fosse eu, teria perguntado o nome de todos os médicos de todos hospitais da redondeza!
Ou meu pai era uma pessoa de muita palavra ou era de um humor que desconhecemos!

domingo, 8 de agosto de 2010

O doce casado de uva

Esta ai um doce, simples de fazer e difícil de esquecer em três pontos, primeiro, rápido demais, segundo fácil demais, terceiro 3 horas de esteira pra perder as calorias que você ganha. Mas totalmente valendo a pena.
A receita é da Mariane, minha sobrinha que serviu muito de babá para meus filhos nos passeios avassaladores do shopping, e hoje é Engenheira de Alimentos e é Chefe de Garantia de Qualidade da Nestlé.(Sô coruja mesmo)

Como sempre faço, explico o jeito e depois passo direitinho os ingredientes. Numa panela eu coloquei 3 colheres de margarina sem sal e 2 latas de leite condensado e botei pra virar um brigadeiro branco.... interessante que precisa esperar pra desprender do fundo e como um passe de mágica o brigadeiro desprende visivelmente, não a duvida, mas não pare de mexer por um só momento, pois se queimar o leite, desgraça o sabor.

Pegue uma travessa de vidro coloque o brigadeiro branco ( cuidado!! se despejar muito quente o vidro trinca... e babau-se, perdeu tudo) enquanto esfria pegue 1kg de uva (moscatel, Thompson ou qualquer uma que te der na telha) lave tire todas do cacho e seque as muito bem.
Coloque as por cima do brigadeiro branco.
Agora vem a 3ª parte. Você pega 2 barras de chocolate 170g, eu prefiro colocar uma meio amargo e outra ao leite, mas você escolhe o blend que quiser. Derrete no micro ondas, naquele processo super profissional de: põe 30 segundos desliga, olha e mexe, põe mais 30 segundos, olha e mexe, põe 30 segundos, olha e mexe, chegará um 30 segundos que o chocolate vai estar mole, pode ter certeza.. não seja confiante de colocar um minuto ou mais que essa bagaça queima, ai danou-se de novo.. por que se você fez isso, deve ter queimado o brigadeiro branco la em cima também. Misture uma lata de creme de leite nesse chocolate misture bem depois coloque 2 colheres de mel OU 3 colheres de leite condensado ( isso serve pra ele dar uma endurecidinha de leve). Jogue por cima das uvas. Coloque na geladeira e pronto.
Se você gostar muito, pode colocar chantily por cima, isso deve dar mais uma hora e meia de esteira.
Em casa não gostamos de chantily nesse doce!

Os ingredientes

1 kg de uva (dê preferência por uva sem sementes, mas se tiver semente, pense que vc esta consumindo mais ômega 3, sei lá)
3 colheres de sopa de margarina
2 latas de leite condensado
1 lata de creme de leite
2 barras de chocolate ( 1 ao leite e outra meio amargo)
2 colheres de mel ou 3 colheres de leite condensado)
1 esteira ergomêtrica de boa qualidadade


Ideias: troque as uvas por morango que esta na época, ou por qualquer fruta que combine...






Esse eu servi hoje do dia dos Pais, amanhã vou me matar na academia

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Minha primeira sogra, minha primeira cobaia

Quando estava no colegial (que depois virou segundo grau, que depois virou ensino médio que depois virou, que depois virou... ) eu tinha um professor que contou a experiência de ter ido a primeira vez na casa dos pais da namorada. Contou que a futura sogra serviu um café maldito e ele teve calafrios ao tomar, mas sorria quase chorando dizendo que estava ótimo.
Guardei isso em algum canto do meu cérebro. (garanto que a matéria chatissima que ele dava eu não guardei nada).
Passou se os anos e aconteceu de ir pela primeira vez na casa da mãe de minha namorada, ja a conhecia, mas nunca havia posto os pés na casa dela.
Minha namorada que depois veio ser minha esposa e depois minha ex, ja foi me avisando que a mãe estava numa fase meio que natureba-econômica, que significava que ela misturava cevada torrada com café. Eu que nunca havia provado essas 'tisanas' nem dei muita importância. Quando fui servido, primeiro ganhei um copo gigante, na época tomava muito pouco café, um copo daqueles de requeijão até em cima com a poção da sogra que colocaram o apelido de café. Era tão, mas tão ruim, que eu não consegui chorar sorrindo como meu professor. Eu simplesmente comecei a brincar com liquido e fazer piadas lembrando do professor, e todo mundo riu, eu distrai a atenção de todos sobre o narcótico quente e deixei o quase intacto.
Capitulo passado, terminado... nunca foi algo que desabonasse meu relacionamento com minha sogra. Nos dávamos muito bem, alias eu me dava bem, ela sofreu muito comigo. Eu sempre aprontei muito com ela.
Minha primeira traquinagem foi quando cheguei numa tarde de domingo e ela estava dormindo no sofá aos roncos fortes e os meus cunhados que eram garotos ainda, disseram que ela havia tomado um calmante. Não deu outra, fui na cozinha e peguei uma beterraba e cortei ao meio e fiquei esfregando no rosto dela nos braços em toda a parte descoberta e deixei. Fomos para o portão da frente até que ouvimos os gritos, primeiro ela achou que o calmante tinha lhe dado alergia, depois ela percebeu que era alguém tirando com ela. Ralhou com os filhos que tiram barato dela mas não brigou comigo por que ficou sem graça de brigar.
Por incrível que parece, minha sogra não tinha orelha furada, eu cheguei um dia e resolvi que ela teria que furar a orelha, convenci que iria furar eu mesmo, que não iria doer. Ela ficou empolgada e deixou, furei bonitinho ela elogiou e perguntou como eu sabia furar a orelha, eu respondi: Eu nunca furei e nem vi ninguém furar.. a senhora foi minha primeira experiência.
Apesar de aporrinhar a vida dela, casei com a filha dela com seu total aval. Casado sosseguei? bobagem, continuei minhas pesquisas com minha sogra.
Certo domingo ( tudo sempre ocorria aos domingos a tarde ou a noite) chegamos em sua casa, eu ja tinha meu filho mais velho recem nascido. Minha sogra estava preocupada por que precisava ter tomado uma injeção e a farmácia próxima a sua casa já havia fechado. Eu rapidamente lhe disse: -Sem problemas... Eu aplico!- Minha sogra, que naquela altura do campeonato já nem lembrava que havia corrido riscos com a orelha, deixou eu aplicar. Mais uma vez elogiou e quis saber onde eu aprendi... eu lhe respondi: Acabei de aprender, a senhora foi minha primeira vez!
Correndo a fita... passou se mais e mais anos... e eu continuei a aprontar coisas muitas coisas com ela.. desde o inicio, eu ja tinha um jeito todo especial de chama-la. O nome dela é Maria do Carmo eu passei a chama-la de Maria do Casco e depois passei a chama-la de Cascão... mas não tinha nada a ver com sujeira... era só um aumentativo... Agora imagina você, uma liquidação de tecidos onde esta cheio de mulheres loucas atrás de retalhos e você fica gritando.. Cascão! Cascão! olha o que eu achei... e todas ficam procurando quem é o tal Cascão.
Ai aparece uma senhora de cabelos cor de Mercúrio Cromo (por que ela pediu pro genro comprar tinta de cabelo louro médio, e ele por sacanagem comprou vermelho intenso e ainda se candidatou a ajuda la a pintar o cabelo) toda sem graça por que toda a tecelagem esta olhando para a Dona "Cascão".
Tem tambem a sogra teste-drive de capacete de skate de brinquedo. Uma vez fomos ao Makro e vimos um jogo de skate, joelheiras, cotoveleiras e capacetes, Cascão pegou o capacete e me perguntou: -Será que isso funciona de verdade mesmo? eu rapidamente coloquei o capacete na cabeça dela e dei um soco de cima pra baixo.... o capacete quebrou ao meio e ela caiu ao chão e minha mãe que estava atras de mim com uma vassoura me deu uma vassourada, brava por ter feito isso com minha sogra.
Vou contar uma coisa, com tudo isso.. a gente até hoje, mesmo com a separação nos damos muito bem, quando ela soube que iriamos nos separar, ela me ligou e ficamos conversando por mais de uma hora e todo o tempo "Cascão" só falou bem de mim, de quanto gostava de mim e de quanto queria que eu fosse feliz com minha nova vida.

Não posso reclamar de sogras... tenho sorte!! Elas gostam de mim...


Mais uma simulação dos computadores do "Era uma vez..."



"Cascão" nos dias de hoje, com cabelos lourinhos...

Nota do autor.... Hoje ela esta com 62 anos.... tudo isso aconteceu a mais de 20 anos... Ela era mocinha!! E como dizia minhas cunhadas, ela reclama mas ela adora!!

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

HEIN? ou, Criando Pavarotis, Carusos, Callas e Caballes

Minha avó materna chegou da Espanha com seus pais aos 6 anos de idade em 1912. Meus bisavós foram direto para o interior do estado, para trabalhar na lavoura, como era comum com os imigrantes da época. Quando minha avó tinha 15 anos, ela foi mordida por uma jararaca, claro que ela sobreviveu ( dã!) se ela virou avó! Mas enfim, sua única sequela foi talvez sua surdez. Surdez que lhe acompanhou a vida toda. Surdez que fez com que a família ganhasse alguns modesto decibéis a mais do que o normal. O que seria normal? Imagine o que seria normal, meus avós moravam na Moóca no meio de um conglomerado de imigrantes Italianos, Portugueses e Espanhóis. Por natureza todo mundo já falava alto. Agora imagina isso mais um plus de uma mãe surda? Pois então, esse é o ambiente em que nasci, da pra perceber que não sou uma pessoa discreta.

Minha avó era analfabeta por escolha do seu pai, que acha que mulher não precisava estudar. Meu avô, sempre supriu lhe toda a parte necessária. (Um dia conto dos devaneios de compras do meu avô). Mas depois de velha minha avó gostava de escrever seu nome e sempre pedia pra que um dos seus netos a ajudasse.
Uma vez eu fui muito cedo para sua casa, la estava ela com um caderno tentando escrever coisas. Comecei a ajuda-la, tudo que eu lhe falava, nada adiantava, eu ia cada vez falando mais alto, falava pra ela que estava tudo errado fora das linhas e ela toda empenhada tentando, apagando, mas nada fazia do que eu falava. Fiquei nesse disse me disse me descabelando tentando explicar que as letras eram para acompanhar as linhas e tal, mais de uma hora. Já estava cansado da teimosia dela, subindo pelas paredes. Quando minha mãe chega olha a cena e fala assim.. Oi Mã! OOOOI MÃ!! - ficou na frente dela apontou o ouvido e falou: -esta sem o aparelho? MInha vó respondeu: Sim, seu pai foi comprar pilhas! Eu olhei pra minha mãe e falei: Eu tô a uma hora falando com as paredes? Minha mãe nem ligou pro meu drama pegou um café e saiu andando e foi arrumar o que fazer.



Hoje já não temos mais minha avó, mas o volume das vozes continuam em alta! Colocar minhas tias no carro é engraçado, pois elas começam a conversar, você coloca o radio mais alto, elas falam mais alto, você aumenta mais e elas mais alto vão falando, chega uma hora que você pensa que esta em um manicômio e desliga o radio e elas nem ai e continuam. Quem ve de fora do carro pensa que é briga a sorte que a maioria das vezes elas estão dando risadas. Elas gostam de tirar barato umas das outras.


Todos Pavarotis, Cabalets, Callas e Carusos em uma festa... nem o Aeroporto de Congonhas tem esses niveis de Decibéis

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Eu e meus presentes

Vamos dizer que eu nunca tive uma linha de presentes muito coerente, tanto na minha infância como na minha adolescencia.
Devo ressaltar que sou o irmão caçula raspa de tacho ( quando um irmão tem 13 anos e o outro 10 anos a mais que a gente )
Meu primeiro pedido de presente, lembro bem que era um Pebolim... eu nem fazia ideia do que se tratava um Pebolim, mas meus irmãos mais velhos, me usaram pra pedir o presente para meu pai e eu como um marionete pedi um PEBOLIM... Meu pai todo feliz comprou o tal PEBOLIM, fui com meu pai e meu irmão do meio comprar, mas meu irmão esperto, sabia que se eu visse o que era um pebolim mudaria de ideia, disse: fica no carro, assim fica a surpresa do presente! o marionete obedece seu títere, fiquei no carro. Chegou o dia de Natal e fui todo feliz abrir o meu ma-ra-vi-lho-so presente... O PE-BO-LIM OOOOH um Pebolim.. eu olhei para aquilo e disse: - isso é um Pebolim? meus irmãos pularam em cima do presente e já foram montar o mastodonte e foram jogar, nem se preocuparam em me ensinar. Logo perdi o interesse, minha mãe que já tinha sacada a malandragem dos mais velhos, tinha comprado outro presente pra mim, um fusca vermelho de controle remoto com fio (ÔÔÔ eu sou velho, lembrem disso).
Os anos subsequentes eu continuei pedindo presentes influenciado pelos irmãos mais velhos, nos anos seguintes pedi uma mesa de ping-pong, um autorama e por ai vai... claro que depois acabei usufruindo dos mesmos.... mas já como uma coisa usada tipo passado de irmão pra irmão.
Mas minha adolescência, não foi muito louca.. eu comecei a ser o adolescente estranho... chegou meu aniversário de 13 anos pedi pra minha mãe um mimeógrafo, no de 14 anos pedi uma centrífuga (aquela de fazer sucos), depois pedi sorveteira, iogurteira, maquina de moer carne. Pedi até um forno "Sanyo". Minha mãe era acostumada com minhas esquisitices.
Vou confessar que até hoje sou assim, basta saber que o Clark me deu no dia dos namorados uma batedeira Planetária e eu delirei!!! (♫ Amélia não tinha menor vaidade...♪)


OOOO PEBOLIM MARAVILHA

Meu presente consolação, que eu adorei!!


Forno Sanyo, para os jovens, o micro ondas


Os titeres e o marionete a 2 anos atras.... ta bom que eu to magrinho.. numa das minhas fases sanfona!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Deus castiga.... mas não precisava ter pressa!

Era uma semana santa a 3 anos atrás, estávamos todos, aqui no serviços, alvoroçados para desfrutar o feriado, já que a sexta-feira santa cairia no dia 21, dia em que nosso cartão do convênio viraria e era certo que teríamos uma Páscoa gorda.. maaaas, ocorreu um fato triste na cidade. Morre uma famosa radialista da cidade e morre ao vivo ( estranha essa frase) em seu programa diário em plena quinta feira santa! Por ser uma celebridade da cidade, o presidente da câmara, empresta o plenário para ser feito os serviços de velório. Para a infelicidade de nos funcionários, teríamos que trabalhar na sexta-feira santa. Eu fiquei putissimo da vida com a ideia de ficar de plantão. Não vou mentir que fiz piadinhas acidas e coisa e tal. Mas como não tinha o que fazer, sexta feira cedo acordei e resolvi que tinha que brincar de velório de novela... aquele que todo mundo aparece de óculos escuros e vestido totalmente de negro. E la fui eu feito um Fábio Assunção (exageradamente presunçoso) todo de preto, calça, camisa, gravata, paletó e óculos. Convenhamos isso de vestir se todo de preto só vejo na TV. As pessoas que me conhecem logo que me viram, deram aquela risadinha disfarçada ou mexiam a cabeça dizendo: David, você não presta! Até o chefe da Assessoria de Imprensa me viu e começou a rir dizendo: -Rapaz, não faz assim, Deus Castiga! Ô boca santa do homem...
Lembrei que tinha que ir ao mercado, pois meus filhos passariam o feriado em casa. Fui ao plenário vi que estava tudo transcorrendo nos conformes. Peguei o carro que utilizamos para entregar ofícios e dei uma corridinha ao mercado. Claro que deixei o carro na rua do lado, pra não dar bandeira e coisa e tal.
O mercado estava repleto, pleno, cheio, abarrotado de gente, como era suposto, todos os funcionários públicos municipais estavam aproveitando a virada do nosso cartão convênio pra comprar ovos de pascoa.

Pensei: O velório vai demorar mesmo... vou enfrentar a multidão e seja o que Deus quiser!!

Comprei tudo o que precisava estava feliz no caixa já pagando, quando me ligam no meu radio:-David! Onde você esta? O presidente não viu o carro e quer saber onde você esta! Dei uma desculpa rapidinha e liguei o meu botão de pânico. Peguei o carrinho cheio de compras e avisei o segurança que iria até o outro lado da rua para guardar as coisas no carro e traria o carrinho de volta... Fiz tudo em rotação 45. Descarrreguei, coloquei tudo no porta-mala e voltei com o carrinho vazio na avenida feito um louco.... subi a calçada com o carrinho e o carrinho encontrou um buraco... e travou! Voei por cima do carrinho e o carrinho por cima de mim cai de rosto no chão e para proteger o rosto coloquei minha mão, cuja qual estava com a chave do carro. Enfiei a chave do carro na minha pálpebra inferior. Gente começou a esguichar sangue e eu em pânico que o presidente da câmara queria me ver, as pessoas gritando na rua que iriam chamar o resgate e eu com a mão apertando o machucado dizendo: - Não foi nada, nem ta doendo, uma mulher gritava: -Mas ta sangrando!!! e eu: -Não! coisa boba!(desesperado pra que todo mundo me ignorasse) entrei na lanchonete do mercado peguei uns 10 guardanapos e o sangue saia feito filme de terror trash! apertei com tanta força o corte que nem sentia mais minha cara. Cheguei na porta no mercado onde tinha formado um público pra ver meu show de horrores. Eu engoli seco, puxei minha veia artistica e disse: -Gente, fiquem tranquilos, não é nada. Estou indo pra casa, qualquer coisa irei ao pronto socorro. - Notei uma certa desilusão no povo que queira uma ambulância na porta. mas consegui sair de lá.

Cheguei na Câmara, o raio do velório já tinha terminado, acabou antes da hora, não sei o motivo. O presidente da Câmara, que na época era um fazendeiro, passou pela garagem, contou o gado ( os carros) e viu que faltava a Mimosa ( o carro dos ofícios) e perguntou onde estava. Somente isso. A pessoa que estava ao lado dele, entrou em pânico e logo me ligou. O presidente foi embora pra casa e nem quis saber de mais nada. E a besta sangrada aqui, estava la arfando apavorado na porta.

Mas claro que fui ao pronto socorro, afinal eu continuava a esguichar sangue. Um colega me levou.

Chegando lá, uma enfermeira me olhou e disse toda animada: -Nossa você tem muita sorte, tem um cirurgião plástico de plantão!! Olhei irônicamente pra ela e lhe respondi: -Nossa menina, como eu tenho sorte mesmo!!

Na segunda feira cheguei na Câmara e a primeira pessoa que me vê foi o chefe de imprensa. Foi só me olhar pra dizer: -Eu disse, Deus castiga!!!

Mas precisava ter tanta pressa?



*Simulação feita pelos computadores do "Era uma vez..."

Na época, criaram um fã clube entre os amigos da minha filha, que achavam o máximo eu ter capotado com um carrinho de supermercado.
Algumas pessoas me perguntaram porque eu não fotografei. Se tivesse tido tempo pra fotografar, não teria acontecido o acidente (dã!)

O estrago no meu rosto, 2 semanas depois